Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ad

Carvão doce

Como vem sendo hábito, pelo menos uma vez por semana, a Rocío do La Cocina de mi abuelo lança-me um desafio que consiste em executar uma receita, que acabo por sortear entre os meus seguidores da faz&come no Facebook. Ontem calhou-me o Carvão Doce, que faz parte da tradição espanhola destas festas. No dia de Reis, os meninos que se portaram mal recebem Carvão (doce) em vez de brinquedos (que depois acabam por receber também...).

A primeira vista parece complicado, e confesso que fiz duas tentativas, uma vez que da primeira não tinha o termómetro para determinar a temperatura da calda de açúcar, fator muito importante!

Deixo-vos a receita que ela me deu, se bem que reduzi para metade as quantidades, tendo utilizado assim os seguintes ingredientes:

Para a glace:
1/2 clara de ovo
100 grs de açúcar em pó
Algumas gotas de sumo de limão
Corante alimentar preto

Para a calda:
350 grs de açúcar
115 ml de água


O primeiro passo é muito importante, uma vez que depois não vamos ter tempo de o fazer e consiste em forrar uma caixa de cartão com papel vegetal; eu usei uma de sapatos, mas dividi-a ao meio com a ajuda de outro cartão.

Numa tigela, colocamos a clara de ovo juntamente com  o sumo de limão e, aos poucos, vamos adicionando o açúcar em pó, misturando com uma colher até obtermos a glace; juntamos o corante até que fique o mais escuro possível e reservamos.

Numa panela não muito pequena, fervemos a água com o açúcar até que atinja os 128/130º. Quando a calda estiver na temperatura desejada, adicionamos a glace e misturamos com a colher de pau. Então, a mistura reaccionará como se se tratasse de um vulcão em erupção, e a mistura sobe. Voltamos a mexer e ela desce. Quando voltar a subir, despejamos rapidamente na caixa que forrámos previamente; a mistura voltará a subir e, imediatamente, baixa novamente. 

Agora só temos que esperar que arrefeça, o que acontece muito rapidamente.

Uma vez mais, agradeço à Rocío, pelos desafios que me tem apresentado.
Divirtam-se!! ;)

Roupa velha de bacalhau reinventada


Sobrou bacalhau, batata e grelos cozidos; que fazer??
A roupa velha de bacalhau é, sem dúvida, uma das opções que nos surgem imediatamente. Desta vez vamos completar a receita com ingredientes que aportarão a este prato contrastes de sabores e texturas.
A receita que vos apresento hoje é um dos pratos integrantes do menú que apresentamos no workshop realizado com a colaboração de Rocío Garrido do blog Cocina de mi Abuelo, no qual tratámos de fundir e destacar as semelhanças e cumplicidades da "Cozinha de ambas as margens do Minho", que foi o tema trabalhado no Restaurante Casa do Rio, decorado pela Flores da Aldeia

Ingredientes:
Bacalhau cozido
Batata cozida
Grelos ou couve cozida
1 cebola grande
4 dentes de alho
300 grs de broa
2 dl de azeite
50 grs de uvas passas
Sal e pimenta q.b.

Começamos por remover a côdea da broa, e esmigalhar o miolo com as mãos ou auxiliando-nos de um robot/picador.
Numa frigideira, colocamos metade do azeite e dois dentes de alho esmagados. Deixamos aquecer, adicionamos a broa e, sem parar de mexer, deixamos que absorva todo o azeite e reservamos.
Lascamos o bacalhau, retirando assim todas as espinhas e peles. Cortamos as batatas em rodelas e os grêlos picados grosseiramente.
Num tacho, colocamos o restante azeite, o alho picado e a cebola cortada em meias-luas. Deixamos refogar até que a cebola comece a ficar transparente. Juntamos as batatas, os grelos e as passas, e retificamos os temperos de sal e pimenta.
Num tabuleiro untado com azeite, dispomos os aros para dar forma ao nosso prato. Enchemos até metade da altura com o preparado das batatas, cebola e grelos. Fazemos pressão com uma colher e sobrepomos uma camada de bacalhau, quase até ao limite, que completamos com a broa. Pressionamos bem com a colher e, cuidadosamente, retiramos o aro. 
Para finalizar, levamos a forno a 180-200º durante uns 10 minutos, para aquecer e tostar a broa.

"Nozes" de canela

Mesmo depois de tanta doçaria nestas praticamente duas semanas festas com rabanadas, pastéis, bolo rei, frutos secos e demais gulosices que nos damos a liberdade de desfrutar, decidi deixar-vos uma receita de bolachas ideal para fazer uns pequenos biscoitos que nunca sobram à hora do café. São úteis inclusive para levar no bolso, tipo esquilo :) A receita é simples, muito pouco calórica, uma vez que quase não leva manteiga, e o resultado é original e agradável. Para esta receita é indispensável o molde de silicone para nozes, que podem encontrar na OFAC Decorações

500 gr de farinha
300 gr de açúcar
1 dl de leite
2 colheres de sopa de manteiga
1 colher de chá de canela

Amassar todos os ingredientes num recipiente.
Quando tivermos uma mistura homogénea, transferimos para uma bancada polvilhada com farinha.
Com as mãos, fazemos uma espécie de cilindro que vamos cortar em pequenas porções de 1x1cm. Colocamos as bolinhas de massa em cada compartimento do molde de silicone, pressionando um pouco para obter o desenho do mesmo. 
Cozinha-se em forno pré-aquecido a 180º durante 8 minutos, ou até formarem uma "barriguinha" e atingirem uma cor mais dourada.
Retiramos do forno e deixamos arrefecer ligeiramente antes de mudarmos a nossas "nozes" para uma rede onde acabarão por arrefecer completamente. Uma vez frias, podem conservar-se por um longo período de tempo, desde que o recipiente esteja hermeticamente fechado, de modo a conservar a sua textura crocante.

Cake rolls diferentes

Despois de alguns desafios por parte de Rocío Garrido, do blog cocinademiabuelo.blogspot.com.es, decidi começar a fazer os meus posts, e assim partilhar convosco os resultados finais, que serão sorteados entre os seguidores da faz&come no Facebook.
O desafio desta semana era fazer um "tronco", mas decorado de forma diferente. Devido a uma má interpretação do desafio, tive que o repetir. No entanto, deixo fotos e explicações das duas tentativas. Espero que gostem tanto quanto eu me diverti a fazê-los. Esta semana, quem levou para casa uma latinha da  OFAC Decorações com 6 mini-rolls coloridos  foi a Paula Ribeiro.

Para fazer a genoise, recorri a uma receita básica:
4 ovos
125 grs de açúcar
50 grs de farinha
25 grs de amido de milho (Maizena, por exemplo)
Manteiga derretida ou óleo q.b.

Para o recheio:
150 grs de marmelada caseira ou de supermercado
1 dl de vinho do Porto ou Moscatel
50 grs de coco ralado

Começamos por aquecer o forno a 170º; Untamos o tabuleiro com manteiga (ou óleo), forramos com papel vegetal cortado à medida, incluindo os bordos, e voltamos a untar.
Para preparar a base, batemos os ovos com o açúcar até quadruplicar o volume. Suavemente, e recorrendo a um passador ou peneira, envolvemos na mistura anterior a farinha juntamente com o amido. Não devem bater, para não perdermos o volume e esponjosidade da massa.
Retiramos uma pequena porção da massa e, à restante juntamos, neste caso, corante vermelho. O processo pode ser inverso, fazermos a decoração com a massa colorida e a restante incolor, em função do resultado desejado.
Com o saco pasteleiro, fazemos desejos no tabuleiro forrado. Levamos ao forno por 5 minutos aproximadamente. Retiramos, vertemos a restante massa e voltamos a cozinhar.
Quando seca mas esponjosa, retiraremos a nossa base do forno e deixamos arrefecer.
Começamos então a preparar o recheio, aquecendo a marmelada com o licor escolhido, e obtendo uma mistura homogénea. Deixamos arrefecer e cobrimos a nossa base. Polvilhamos com o coco ralado e começamos a enrolar com cuidado, para não deixar a "decoração" agarrada ao papel vegetal.
Surpreendidos com o efeito?
Podem trocar as cores, os desenhos, ou mesmo sabores, usando uma base neutra e os enfeites por massa com adição de cacau e vice-versa ;)







Nova coleção PARFOIS Desert

Pág. 7/7